Já tive cancro de mama, posso realizar uma mamoplastia de aumento? - Mamoplastia de Aumento

Já tive cancro de mama, posso realizar uma mamoplastia de aumento?

mamoplastia de aumento

As mulheres que ponderam realizar uma mamoplastia de aumento, questionam com frequência se existe alguma relação entre a mamoplastia de aumento e o cancro de mama nomeadamente se os implantes mamários podem causar cancro de mama.

Até a data não existem estudos que comprovem alguma relação entre a utilização de implantes mamários e o cancro de mama.

Outra questão que surge com frequência é se mulheres que tiveram cancro de mama podem ou não realizar uma mamoplastia de aumento. Não existe qualquer limitação para uma mulher que teve cancro de mama em realizar um aumento mamário. O aumento mamário pode até revelar-se benéfico no posto de vista emocional após a mulher ter passado por uma situação potencialmente traumática. No caso de mulheres que sofreram uma mastectomia, poderão realizar uma reconstrução mamária com próteses de silicone. No entanto, os procedimentos e técnicas dependem de vários fatores tais como a idade, características do corpo e tipo de mastectomia que realizou. A reconstrução mamária com próteses de silicone deve ser feita por um cirurgião plástico com experiência nesta área de forma a assegurar a saúde da paciente bem como o sucesso da intervenção.

Por norma, para casos de mulheres que sofreram cancro de mama, o cirurgião opta por colocar o implante mamário no plano submuscular ou seja debaixo do músculo peitoral. Desta forma, o implante não irá interferir com a observação durante os exames de diagnóstico como por exemplo na mamografia. Contudo, mulheres com antecedentes familiares de cancro da mama, ou mulheres que já tiveram a doença, tem um risco aumentado de desenvolver ou voltar a ter a doença. Nestes casos, devem assegurar-se que realizam com a devida regularidade os exames de diagnósticos necessários.

As mulheres que realizam mamoplastia de aumento acabam por ser muito mais conscientes e preocupadas relativamente ao seu peito e como tal, estão mais atentas aquando da realização de exames de apalpação ou de exames de rastreio. A deteção da doença precocemente é decisivo no combate à doença e como tal não deve ser descuidado. Durante a realização dos exames de diagnóstico, podem surgir algumas dúvidas por parte do radiologista podendo haver necessidade de recorrer a exames de diagnóstico complementares como por exemplo uma ressonância magnética.

Sendo os tumores de mama muito frequentes e sendo a mamoplastia de aumento uma das cirurgias mais procuradas a nível mundial, é natural que mulheres com próteses mamárias recebam tal diagnóstico. No entanto, os implantes mamários são utilizados há mais de 50 anos tanto para cirurgias estéticas como cirurgias reconstrutivas da mama e estudos realizados em milhares de mulheres demonstram que não existe qualquer relação entre o uso destes dispositivos e o aparecimento do cancro de mama.

As próteses mamárias representam hoje o principal método tanto para a cirurgia estética como para a cirurgia reconstrutiva. A possibilidade da reconstrução da mama permite que a mulher encare de melhor forma a fase traumática do tratamento proporcionando um regresso digno sem o estigma de uma cirurgia mutiladora.

Ligar agora
Marcações